Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/20.500.12207/4736
wcag
Title: Relações sócio afectivas, envelhecimento ativo e bem-estar das pessoas mais velhas
Authors: Rocha, Elisabete das Relíquias Maldonado
Orientador: Faria, Maria Cristina Campos de Sousa
Fernandes, Ana Isabel Lapa
Keywords: Envelhecimento
Relações sócio afetivas
Envelhecimentoativo-ativo
Bem-estar
Issue Date: 13-Jun-2017
Citation: Rocha, E. (2017). Relações sócio afectivas, envelhecimento ativo e bem-estar das pessoas mais velhas. (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Educação.
Abstract: Atualmente existe um crescimento acentuado do processo de envelhecimento devido às descobertas científicas, aos avanços medicinais preventivos e curativos, às melhorias de saúde pública, incluindo a educação para a saúde. Todos estes fatores vão contribuir para o aumento da população sénior e por estes motivos o processo de envelhecimento é hoje considerado como um fenómeno mundial. Posto isto, o geronte deve sim ter a possibilidade de envelhecer de forma saudável e ativa. Sendo que, é importante ressalvar que o essencial não seja somente proporcionar-lhes os cuidados em relação aos problemas de saúde mais, sim o reconhecimento das suas possibilidades e necessidades específicas. Pois para além de um bom estado de saúde física, as pessoas mais velhas carecem de respeito, de se sentirem ativos, de poderem exprimir desafogadamente os seus sentimentos, emoções, interesses e opiniões. Neste sentido, o presente documento pretende estudar a componente afetiva na esfera dos valores e dos comportamentos humanos, inter-relacionando-os às questões ligadas ao processo de envelhecimento ativo e bem-estar. Face ao exposto, é de referenciar que a presente investigação foi aplicada a dois grupos distintos, ou seja, uma amostra de 10 gerontes institucionalizados, dos quais cinco do género masculino e cinco do género feminino e ainda uma amostra igual de idoso não institucionalizados, aos quais se aplicaram uma entrevista semiestruturada, uma a escala de satisfação com a vida e uma escala de afetos positivos e negativos. Como tal, os resultados mostram que envelhecimento ativo, não consegue ser clarificado por o grupo não institucionalizado, sendo que o grupo de pessoas mais velhas não institucionalizadas conseguem manter uma vida ativa, isto é, desenvolver um envelhecimento ativo. Face a estes resultados surge um projeto de intervenção, que foi planificado tendo em atenção o grupo de gerontes institucionalizados, intitulando-se de “+ Ativo”
URI: http://hdl.handle.net/20.500.12207/4736
Designation: Dissertação de mestrado em Psicogerontologia comunitária. Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Educação, 2017
Appears in Collections:D-ECSC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
wcag
File Description SizeFormat 
Elisabete Rocha.pdf2.18 MBAdobe PDFView/Open
Elisabete Rocha_A.pdf688.73 kBAdobe PDFView/Open
Elisabete Rocha_B.pdf701.39 kBAdobe PDFView/Open
Elisabete Rocha_C.pdf768.41 kBAdobe PDFView/Open
Elisabete Rocha_D.pdf766.13 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons