Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/20.500.12207/4677
wcag
Title: Atividade física adaptada e sua influência na funcionalidade e autoestima de um aluno com espinha bífida
Authors: Gonçalves, Fábio Rúben Duarte
Orientador: Murta, Luís
Keywords: Atividade física adaptada
Autoestima
Espinha bífida
Funcionalidade
Issue Date: 21-Jul-2016
Citation: Gonçalves, F. (2016). Atividade física adaptada e sua influência na funcionalidade e autoestima de um aluno com espinha bífida. (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Educação.
Abstract: No presente estudo pretendeu-se analisar a influência da atividade física adaptada na funcionalidade e autoestima de um aluno com espinha bífida. Procedeu-se ao desenvolvimento e implementação de um programa de atividade física adaptada a um aluno com espinha bífida. De forma a analisar a influência dos parâmetros avaliados utilizámos a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), a Escala de Rosenberg, a Goniometria, o Teste de Oxford e a Medida de Independência Funcional (MIF), em dois momentos distintos, nomeadamente no início (avaliação) e final (reavaliação) do programa de atividade física adaptada, para assim compararmos os resultados. No que diz respeito ao participante deste Estudo de Caso, foi o aluno A da Escola Secundária C/3 de Vila Real de Santo António, do sexo masculino com 18 anos, frequenta o 12° ano, com deficiência motora - Paraparésia Plácida, com diagnóstico de EB - Mielomeningocelo lombo sagrado e Hidrocefalia. Os nossos resultados evidenciaram alterações em todas as funções avaliadas através da aplicação da CIF, passando do quantificador 3 - deficiência grave, para 2 - deficiência moderada. Em relação ao valor total da Escala de Rosenberg passámos de 0 para 5, com alterações em metade das questões avaliadas e portanto o aluno A melhorou a sua autoestima. No que diz respeito à Goniometria e Teste de Oxford houve alterações em mais de metade das medições realizadas, o que se traduz num ligeiro aumento da amplitude articular e da força e função muscular, comparando as duas avaliações. Por fim, da avaliação da MIF resultou uma mudança no valor total de 104 para 114 e podemos assim perceber que o aluno A melhorou a sua funcionalidade.
URI: http://hdl.handle.net/20.500.12207/4677
Designation: Dissertação de mestrado em Educação especial – especialização no domínio cognitivo e motor. Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Educação, 2016
Appears in Collections:D-ECSC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
wcag
File Description SizeFormat 
Fábio Gonçalves.pdf37.23 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons